21 novembro 2008

Estranho, eu não sou




Vestir o outro. 
A pele do outro afeta meu corpo e transforma sua forma. Subverte sentindos, revela desejos e possíveis medos.
O outro estranho em mim.
Dentro e fora. O que se pode ver e o que se esconde.
Homem ou mulher?
Homem e mulher.
Trocar de roupa como quem troca a si mesmo.
eu e o outro juntos na ação. O encontro.
Qual a sua identidade?
Eu, você, o Estranho, Hamlet e suas mulheres. 
Ophélias, Gerturdes, Marias, Anas, Mônicas, Isabelas, Albas, Camilas, Márcias...


Centro Popular de Conspiração Gargarullo - Miguel Pereira/RJ
Intensivo Projeto Hotel Medea
Dia 16 de Novembro de 2008; 17 hs - uma hora de duração.
Imagens de Márcia Shoo e Antígone


2 comentários:

Liquidificador da vida disse...

Olá, Daniel Tiepo deixou em meu computador esse endereço para que eu pudesse ver tudo com calma aqui e depois entrar em contato contigo. Sobre o seu trabalho eu tenho pensado, eu tenho pensado e tenho pensado.

TIEPO disse...

"trocar de roupa como quem troca a si mesmo"

querido estranho... tenho trabalhado sério e solitário, em busca do corpo (im)possível. Com a "fragmentação da consciencia", desde o século XIX, como principio da modernidade, o homem "perdeu a cabeça"... e sigo trabalhando com as linguagem de vanguarda... o dadá, o impressionismo e expressionismo, o surreal, o absurdo... CREDO QUIS ABSURDUM (creia ao menos na mitologia do absurdo, oras)... grande abraço, amigo... e pense com a fabi! é uma amiga querida que tem sede de aprender e fome de viver! ela é faminta, alimente-a tbm!